Simpósios

Simpósio “Aprendizagem, Desenvolvimento e Sucesso Académico nos Ensinos Básico e Secundário”

Ana Paula Porto Noronha (coordenadora)
Universidade São Francisco, Brasil

Ana Filipa Alves, Ana Martins, & Leandro S. Almeida
Universidade do Minho, Portugal

Silvia F. Rivas y Carlos Saiz
Universidad de Salamanca, España

Camélia Santina Murgo Mansão
Universidade do Oeste Paulista, Brasil

O presente simpósio versa sobre a aprendizagem e o sucesso acadêmico. Os trabalhos, em geral, foram desenvolvidos à luz da psicologia positiva. Ana Filipa Alves, Ana Martins, e Leandro S. Almeida, de Portugal,  abordarão a contribuiçao da família e da escola no sucesso escolar e, para tanto, compararão duas instituições de ensino. Os autores farão uso da Structural Equation Modeling para analisar a contribuição das variáveis latentes família e escola no desempenho cognitivo. ‘El pensamiento crítico como garantía de la psicología positiva en los adolescentes’ é o título do trabalho de Silvia F. Rivas e Carlos Saiz, pesquisadores espanhois. Serão discutidos problemas relevantes da adolescencia, mais especialmente, os diretamente associados ao pensamento crítico e à motivação. A justificativa para a escolha de tal faixa etária se dá com base na vulnerabilidade e nas dificuldades de clarificação de valores a que adolescentes são submetidos cotidianamente. Os autores pretendem diferenciar os conceitos e refletir sobre a busca do bem-estar. A pesquisadora brasileira Camélia Santina Murgo Mansão verificará as percepções de crianças acerca do autoconceito escolar. Trata-se de um estudo empírico, realizado com crianças brasileiras, do estado de São Paulo. O autoconceito foi avaliado por meio de entrevista semi-estruturada. Os autores ponderaram sobre importante influência do autoconceito positivo sobre o desempenho acadêmico. Por fim, Ana Paula Porto Noronha (Brasil) abordará as forças de caráter, compreendidas como características pré-existentes para uma forma particular de comportamento, pensamento ou sentimento, que se apresentem de maneira autêntica para o indivíduo. A autora apresentará dados empíricos, fruto de ampla pesquisa com adolescentes e adultos e as tendências de cada período.

Forças de caráter e sua investigação com jovens do ensino fundamental e médio
Ana Paula Porto Noronha
Universidade São Francisco, Brasil

Forças de caráter são características pré-existentes para uma forma particular de comportamento, pensamento ou sentimento, que se apresentem de maneira autêntica para o indivíduo e que lhe permitam um funcionamento próximo de seu ideal. Adicionalmente, também podem ser compreendidas como características positivas essenciais para que o indivíduo tenha uma vida satisfatória. Embora seu estudo não seja recente, sua organização e o ganho de projeção se deu com o advento da Psicologia Positiva (PP). PP tem sido considerado um movimento iniciado por psicólogos estadunidenses, que fizeram um apelo no sentido de que as qualidades psicológicas positivas deveriam receber a mesma atenção de pesquisadores do que as doenças mentais. Nesse ensejo se localiza o foco do presente trabalho, qual seja, de discutir as forças de caráter com base nos resultados de jovens do ensino médio e do ensino fundamental brasileiros. Os achados das pesquisas serão refletidos à luz de modelos teóricos existentes.

Sucesso escolar: Família e escola equilibram-se na balança?
Ana Filipa Alves, Ana Martins, & Leandro S. Almeida
Universidade do Minho, Portugal

Nesta comunicação pretendemos observar como se cruzam duas instituições inevitavelmente marcantes no desenvolvimento cognitivo da criança e, de que forma, contribuem para o seu sucesso escolar – família e escola. A amostra é constituída por cerca de 400 crianças da pré-escola e do primeiro Ciclo do Ensino Básico, com idades compreendidas entre os 4 e os 10 anos, do norte e centro de Portugal. Através da Structural Equation Modeling (SEM), com bons índices de ajustamento, observou-se que a variável latente família, ao contrário da variável latente escola, tem impacto no desempenho cognitivo, tendo ambas no entanto igual impacto no rendimento escolar das crianças. A partir destes dados apresentam-se algumas implicações sobre o processo educativo da criança no ambiente familiar e escolar, assumindo que este desenvolvimento pode ser favorecido no sentido do empoderamento da criança nas suas habilidades cognitivas e aprendizagens. Procura-se ainda defender a necessidade de intervenções precoces e, deste modo, um desenvolvimento mais confiante e pleno da criança a partir das suas potencialidades.

El pensamiento crítico como garantía de la psicología positiva en los adolescentes
Silvia F. Rivas y Carlos Saiz
Universidad de Salamanca, España

Pensar críticamente puede significar cosas diferentes, pero hay una característica que siempre está en todas las ideas: eficacia. Resolver problemas de un modo eficaz es lo esencial del pensamiento crítico. Pero la eficacia no depende solo del buen pensar, necesita mucha ayuda para que acontezca. Requiere de mucho empeño o constancia en la consecución de nuestras metas, en la búsqueda de las mejores soluciones a los problemas importantes. El adoptar puntos de vista distintos, plantear preguntas, más que buscar respuestas, o el no paralizarse ante la ambigüedad de los problemas importantes, aporta lo que no pueden ofrecer las habilidades de pensamiento crítico, y que son imprescindibles para la eficacia. La constancia en querer superar los obstáculos o la tolerancia a la ambigüedad, junto con la buena reflexión, forman un conjunto inseparable. En el ámbito de la psicología positiva, lo no cognitivo siempre refuerza lo cognitivo. La adolescencia es un periodo donde la vulnerabilidad y las dificultades en la clarificación de valores toman protagonismo. En esta edad, los jóvenes son más dependientes, no resuelven adecuadamente los problemas cotidianos y tienen dificultades para afrontar con éxito las diferentes situaciones de su vida diaria.  Por ello, es aquí donde una buena reflexión se presenta como una de las mejores herramientas de afrontamiento en lo personal y académico. Con todo esto, los logros y la eficiencia dan paso a un mayor bienestar o felicidad personal. Sin resultados, ese bienestar queda en entredicho. En esta comunicación proponemos que resolver problemas importantes en la adolescencia requiere de buenas habilidades de pensamiento crítico y de todo lo referente a la motivación y expectativas. Todo ello tiene una gran relevancia para el logro y bienestar personal, algo imprescindible para la psicología positiva.

Estudo qualitativo sobre autoconceito escolar: o olhar de crianças de uma escola de educaçao basica
Camélia Santina Murgo Mansão
Universidade do Oeste Paulista, Brasil

O presente estudo teve por objetivo verificar as percepções de crianças acerca do autoconceito escolar.. Participaram desta investigação 15 alunos dos 6º e 7º anos de uma escola de ensino fundamental localizada no estado de São Paulo-Brasil com idade entre 10 e 12 anos, Para coleta dos dados foi utilizado um roteiro de entrevista semiestruturado. As crianças que disseram confiar em suas capacidades gerais como estudantes também expressaram sentimentos e emoções agradáveis, como alegria, entusiasmo e orgulho, mostrando-se animadas e ativas na escola.  Já aquelas que se autoavaliaram como menos capazes experimentam emoções desagradáveis como tristeza, vergonha e ansiedade em relação as tarefas escolares. O autoconceito positivo sobre o desempenho acadêmico parece essencial para o sucesso e realização pessoal do aluno; da mesma forma que, uma percepção negativa de si e de seu desempenho acabam reforçando afetos ligados a inadequação e vivências de fracasso escolar. Verificou-se que os estudantes que manifestam ideias mais ajustadas sobre suas capacidades são propensos a conseguir melhores resultados, se comparados com alunos que revelam juízos negativos sobre si e suas habilidades acadêmicas. Os achados sugerem associações entre autoconceito, afetos positivos e negativos, e desempenho acadêmico.